A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.
Última hora

Maré humana antiglobalização em Rostock

Maré humana antiglobalização em Rostock
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

São várias dezenas de milhares de pessoas que se concentram a partir de hoje em Rostock, na Alemanha, a poucos quilómetros do local da cimeira do G8 que tem lugar entre os dias 6 e 8 de Junho. O objectivo é mostrar às nações mais industrializadas o descontentamento pela globalização e o curso da política económica mundiais.

Este fim-de-semana são esperadas mais de 40 manifestações diferentes na cidade costeira do mar Báltico. Os líderes germânicos, incluindo a chanceler Angela Merkel, apelaram aos manifestantes para evitarem acções de violentas.

Os militantes da causa antiglobalização demonstram determinação. “Espero que o maior número possível de pessoas se juntem para mostrar que não estamos satisfeitos com o sistema económico actual”, disse uma manifestante. “Talvez com motivação suficiente vamos conseguir fazer mexer qualquer coisa durante a próxima semana, pelo menos perturbar o G8, senão mesmo impedi-lo”, garantiu outro.

As autoridades alemãs encararam com muita seriedade a cimeira e ergueram uma vedação de 12 quilómetros em torno do local, em Heiligendam, perto de Rostock, onde se vão reunir os dirigentes dos Estados Unidos, da Grã-Bretanha, da França, da Itália, do Japão, do Canadá e da Rússia.

Qualquer manifestação está proibida num raio de dois quilómetros a partir da barreira que custou cerca de 13 milhões de euros. Face às apertadas medidas de segurança, o ministério do Interior chegou mesmo a ser acusado de utilizar métodos da Stasi, a polícia política da antiga Alemanha de Leste.

Também contra o G8, este sábado estava prevista na cidade de Schwerin uma manifestação de extrema-direita do Partido Nacional Democrata alemão mas o Tribunal Superior Administrativo regional proibia-a. O motivo apresentado foi a possível eclosão de contra-manifestações de extrema-esquerda como acabou por acontecer em Schwerin.