A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.
Última hora

Motores da General Electric podem atrasar entregas do Airbus A350

Motores da General Electric podem atrasar entregas do Airbus A350
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

As entregas do avião que a Airbus está a projectar, o A350 XWB, podem sofrer um atraso por culpa de um diferrendo com a General Electric, que fornece os motores.

Isto porque o grupo norte-americano é fornecedor exclusivo do 777 da Boeing. No entanto, a Airbus teve também boas notícias, ao superar a rival norte-americana no primeiro semestre deste ano, quer em termos de encomendas, quer de entregas. A Airbus recebeu 680 encomendas, contra 544 da Boeing. Em termos de aviões entregues aos clientes, a Airbus ultrapassou a rival em 11 aviões.

A General Electric recusa-se a fabricar um novo motor para o A350, por entrar em concorrência directa com o engenho que criou para o 777. No entanto, o grupo americano admite criar uma versão alternativa à que instalou no 787 Dreamliner, a nova coqueluche da Boeing, que foi apresentada, domingo, na fábrica do grupo em Seattle.

Com este avião, a Boeing quer liderar nos voos de longo curso. Para já, os números são música para os ouvidos da construtora. Antes de começar a voar, o avião já convenceu 47 companhias, que encomendaram 677 exemplares.

Diz Mike Bair, vice-presidente e director geral da Boeing: “Quando, há quatro anos, apostámos em trazer este avião para o mercado, juntámos o melhores e mais brilhantes parceiros de todo o mundo para revolucionar o transporte de passageiros. Estou muito orgulhoso pelo que alcançámos juntos”.

O novo avião vai estar disponível em três versões, de 210 a 330 lugares, e custa entre 100 e 150 milhões de euros. A ecologia é um dos grandes trunfos. O aparelho é feito com materiais mais leves que o alumínio e vai consumir menos 20% de combustível que os outros aviões do mesmo tamanho.