A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.
Última hora

Taliban querem que Papa condene mortes de civis afegãos

Taliban querem que Papa condene mortes de civis afegãos
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Enquanto se aproxima o termo de mais um ultimato, os taliban afegãos que mantêm 22 sul-coreanos sequestrados, viram-se agora para o papa Bento XVI. Um porta voz dos rebeldes afirmou à France Press que o sumo pontífice deveria condenar as mortes de civis afegãos provocadas por forças internacionais. O mesmo porta-voz voltou a insistir que a vida dos reféns só depende da libertação dos afegãos, incluindo muitas mulheres, mantidos nas prisões americanas no país.

Esta foi a dura resposta ao apelo do papa feito este domingo para a libertação dos 22 sul-coreanos, entre os quais 16 mulheres, sequestrados há já 11 dias. Na sua residencia de Verão, Bento XVI apelou à libertação dos reféns, condenando o ataque a civis inocentes por parte dos grupos armados. O Papa foi mais longe e afirmou mesmo que esta prática é selvagem, viola os direitos humanos e ofende gravemente as leis divinas.

Enquanto as pressões se mantém no terreno, o desespero das famílias aumenta. Os taliban juram que o derradeiro ultimato termina às sete horas da manhã de segunda-feira. Altura em que começam a matar os reféns. Quarta-feira, um dos voluntários cristãos foi mesmo assassinado pelos taliban. As autoridades afegãs tentam agora que os rebeldes libertem as 16 mulheres do grupo, alegando que o seu sequestro é contrário aos valores islâmicos e afegãos.