Última hora
This content is not available in your region

Autoridades britânicas suspeitam de novo caso de febre aftosa

Autoridades britânicas suspeitam de novo caso de febre aftosa
Tamanho do texto Aa Aa

A Grã-Bretanha levantou a interdição ao movimento de gado, mas o surto de febre aftosa poderá ainda não estar contido. Os criadores puderam retomar o envio de animais para os matadouros fora da zona de vigilância de 10 quilómetros estabelecida em redor das duas explorações onde foi detectada a doença. Mas os serviços veterinários britânicos suspeitam de um novo caso, na mesma região a Sudoeste de Londres, mas fora da zona vigiada. As autoridades estabeleceram um novo perímetro de segurança enquanto procedem a testes.

As suspeitas da origem do vírus continuam a recair sobre um laboratório partilhado por uma empresa privada e o Instituto britânico de Saúde Animal, onde ontem foi diagnosticado um trabalhador com a doença do legionário. Um responsável da instituição disse que os níveis de legionela detectados no local “são classificados como insignificantes” pelos códigos sanitários.

A legionela não tem qualquer relação com a febre aftosa, mas o caso pôs novamente em causa o laboratório.

A União Europeia manterá, pelo menos até 23 de Agosto, o embargo aos animais vivos, carne e derivados da Grã-Bretanha. O sindicato de agricultores do Reino Unido estima que a medida lhes custa diariamente dois milhões e setecentos mil euros.

A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.