Última hora
This content is not available in your region

Síria quer calendário para retirada militar do Iraque

Síria quer calendário para retirada militar do Iraque
Tamanho do texto Aa Aa

O Iraque prossegue os esforços para pacificar o país, desta feita pela via diplomática, junto dos países vizinhos. Depois de ter visitado o Irão no princípio do mês, o primeiro-ministro iraquiano Nuri Al-Maliki iniciou na segunda-feira uma visita de três dias à Síria, a primeira desde que foi empossado no cargo.

Em Damasco, o primeiro-ministro Mohammad Naji Otri, deu o tom às conversações ao pedir um calendário de retirada das tropas estrangeiras do Iraque, que segundo ele, estão na origem da instabilidade no país.

A Síria, assim como o Irão, são acusados pelos Estados Unidos de apoiarem os grupos armados xiitas no Iraque, mas desde há alguns meses que Washington reconhece a importância de incluir os dois países nas discussões para pacificar a situação iraquiana.

Damasco é também um dos principais destinos dos mais de dois milhões de refugiados do conflito.

O encontro entre os ex-inimigos dos tempos de Saddam Hussein, desenrola-se no mesmo momento em que outro país, a França, mostra-se pronta a reatar a colaboração com o Iraque.

O ministro dos negócios estrangeiros Bernard Kouchner terminou ontem uma visita surpresa a Bagdade, com o objectivo de virar a página dos tempos da oposição à guerra no Iraque.

As vitórias na diplomacia não refreiam, no entanto, o ciclo de violência. Um atentado no sul do país vitimou ontem o governador da província de Muthanna, o segundo responsável local a ser morto desde o início da semana.