Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Citigroup publica prejuízo trimestral

 Citigroup publica prejuízo trimestral
Tamanho do texto Aa Aa

Pela primeira vez desde a fundação do Citigroup, em 1998, o grupo apresentou um prejuízo trimestral. O maior banco dos Estados Unidos publicou perdas relativas ao quarto trimestre do ano passado, o que vem piorar o panorama da crise que afecta o sector.

O prejuízo, no trimestre, foi de 6,8 mil milhões de euros. A facturação esteve a caír 70%, para os cinco mil milhões. O Citigroup teve um encargo extraordinário de 12,5 mil milhões de euros com os créditos de risco.

O grupo vai agora fazer um aumento de capital, de quase nove mil milhões de euros, e anunciou ainda uma redução do dividendo em dois quintos.

O analista Guillermo Kopp explica os problemas vividos pelo banco: “O Citigroup ainda não resolveu os problemas que tem. Fez alguns ajusamentos, mas a solução final é, sem dúvida, vender uma parte do negócio, ou pelo menos alguns activos, o que faz parte deste anúncio”.

Estes números provam que a crise que está a ser vivida no sector bancário está ainda longe de estar terminada.

Na Europa, a principal vítima de toda esta crise, o banco britânico Northern Rock, teve esta terça-feira uma assembleia-geral decisiva. Os presentes votaram em massa a favor da proposta que impede a administração de fazer novos aumentos de capital e vender mais activos.

Confusão foi o que sentiram vários pequenos accionistas que foram à assembleia. Disse um homem, “estou confuso com o que se está a passar. Não sei se o governo quer ou não enganar os accionistas, que ainda são donos da empresa, e o pessoal do banco”.

Os dois principais accionistas convenceram os pequenos detentores de acções a limitar os movimentos da administração e evitar o que acreditam ser o despedaçar do banco, que foi recentemente salvo da bancarrota pelo Banco de Inglaterra.