Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.
Última hora

Itália atrasa o passo

 Itália atrasa o passo
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Romano Prodi passou de ex-primeiro-ministro e de ex-presidente da Comissão Europeia a “Il Professore”, quando liderou a coligação que ganhou as últimas eleições. O único objectivo dos 13 partidos da aliança, há 20 meses, era derrubar Silvio Berlusconi.

A aposta foi ganha mas o preço foi alto. No dia seguinte já se enumeravam as dificuldades a enfrentar. Apenas com 30 assentos parlamentares de vantagem na Câmara dos Deputados, e dois no Senado, a margem de manobra era mínima.

E o “antiberlusconismo” entre os deputados da coligação, que abrange católicos centristas até comunistas, não chega para cimentar uma base de confiança parlamentar reformadora! Cada sessão de votos transforma-se num psicodrama… nomeadamente a tentativa de reforma do próprio sistema eleitoral, um dos mais complicados do mundo.

Um sistema proporcional quase integral, com fasquias muitos baixas (nalguns casos 2 por cento) para obter representação na Assembleia à escala nacional para os deputados e regional para os senadores.

“A Itália (confirma um analista) precisa de uma reforma eleitoral porque o sistema actual não garante a governabilidade. Está estruturado de uma tal maneira que mesmo havendo uma forma na Câmara Baixa (Parlamento), a maneira como a maioria está estruturada no Senado (Câmara Alta do Parlamento) não permite a formação de coligações governamentais fortes no Senado.”

É por causa da falta de maioria no Senado que não há consenso sobre a política externa, desde Fevereiro do ano passado. A ala esquerda denuncia o envolvimento italiano no Afeganistão porque se opõe ao alargamento de uma base norte-americana no norte do país. A sessão de votos bloqueia. Prodi demitiu-se, mas o presidente reconduziu-o no cargo.

Nova tentativa, sempre com a mesma fragilidade: o grande partido de esquerda criado para apoiar Prodi e rivalizar com a Forza Italia acabou por surgir, em simultâneo, com o partido democrático do presidente da Câmara de Roma, Walter Veltroni.

No plano internacional, Prodi devolveu a credibilidade ao país quando este desconfiava de Berlusconi. Economicamente, reduziu o deficit público para metade. Também lançou um plano de reformas para liberalizar os serviços, de comércio e de certas profissões como a de taxista. São reformas necessárias mas dolorosas. Os italianos vão retirando créditos de popularidade ao mestre.