Última hora
This content is not available in your region

EUA analisam impacto dos biocombustíveis nos preços dos produtos alimentares

 EUA analisam impacto dos biocombustíveis nos preços dos produtos alimentares
Tamanho do texto Aa Aa

A crise no sector imobiliário e a subida dos preços dos combustíveis e dos produtos alimentares estão na origem do mau momento que a economia norte-americana está a atravessar.

O aumento da produção de biocombustíveis nos Estados Unidos é um factor importante na subida dos preços dos alimentos, razão pela qual a Comissão económica conjunta do Congresso norte-americano decidiu analisar o impacto que este tipo de produção tem nos consumidores.

O Departamento de Comércio norte-americano divulgou esta quinta-feira que o índice dos preços do consumo aumentou 0,3% em Março, contra 0,1%
em Fevereiro.

À escala mundial, esta crise assume outras proporções. Entre Março de 2007 e Março de 2008, o preço do milho aumentou 31%, o do arroz 74%, a soja subiu 87% e o trigo 130%.

Para o director-geral adjunto da Organização para a Alimentação e Agricultura (FAO), He Changchui, “os preços vão baixar”, mas aconselha para o facto de “a sociedade de consumo não esperar o mesmo nível de preços baixos verificados nos últimos 20 anos.”

Para combater a crise, Tailândia, Vietname, Camboja, Laos e Birmânia, associaram-se para constituir a Organização dos Países Exportadores de Arroz, que terá como objectivos fixar o preço do cereal e garantir o abastecimento da população dos países membros.

O secretário-geral da Organização de Cooperação e Desenvolvimento Económico apelou na terça-feira à “livre troca de bens e serviços” para combater a subida de preços dos alimentos, defendendo que «os entraves à produção agrícola» aumentam a crise alimentar.