Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Governo italiano discute crise do lixo e imigração clandestina em Nápoles

 Governo italiano discute crise do lixo e imigração clandestina em Nápoles
Tamanho do texto Aa Aa

Foi uma cidade de Nápoles a transbordar de lixo a que recebeu, esta tarde, o primeiro conselho de ministros do recém-empossado governo de Silvio Berlusconi. A escolha da capital da região da Campânia, no sul do país, para a primeira reunião do executivo foi propositada e a reunião acontece numa altura crítica da crise do lixo.

Os detritos e a segurança foram os dois temas em discussão nesta primeira reunião governamental. Para resolver a questão do lixo, os ministros aprovaram a criação de um secretário de Estado delegado que se dedicará exclusivamente ao problema dos detritos.

Silvio Berlusconi anunciou em conferência de imprensa que “os locais previstos para o tratamento de lixo vão ser declarados zonas de interesse nacional e, por conseguinte, terão o estatuto de zonas militares.”

Sobre a questão da imigração ilegal, o chefe do executivo fez questão de afirmar que “o direito de não ter medo é um direito primário que um Estado deve poder garantir aos seus cidadãos e por isso vai ser activada uma série de medidas de aplicação imediata.”

Uma das medidas mais polémicas é a classificação da imigração clandestina como delito, o que significa que os imigrantes ilegais incorrem em penas de prisão. O projecto de lei terá ainda que passar pelo parlamento. A presença do governo em Nápoles serviu de pretexto para a convocação de nada mais nada menos do que nove manifestações sobre os mais variados temas.

Desde associações dos direitos do homem e anti-racismo a organizações ecologistas todos fizeram questão de sair às ruas da capital da Campânia para mostrar o seu descontentamento ao novo executivo italiano.