A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.
Última hora

Petróleo corrige de máximos

 Petróleo corrige de máximos
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

As cotações do petróleo caíram fortemente, depois dos recordes históricos atingidos quinta-feira. Depois de terem chegado aos 135 dólares, os preços do barril caíram para um valor a rondar os 130, para depois voltarem a subir. As cotações, quer do WTI norte-americano, quer do Brent, negociado em Londres, ultrapassavam, ao fim da tarde, os 132 dólares.

A OPEP é acusada de manter estes preços altos, ao recusar-se a aumentar os limites de produção, mas a verdade é que a procura mundial tem vindo a aumentar e esse é o grande factor por detrás das subidas.

A OPEP ganha 52 milhões de euros por hora, enquanto o mundo gasta 180 milhões, com um bilião e 600 mil milhões de euros gastos no ano passado.

O presidente venezuelano, Hugo Chávez, membro do cartel, culpa os consumidores, sobretudo os Estados Unidos: “Dizem que temos a culpa do preço do petróleo. Eles é que têm a culpa, com o esbanjamento e o consumismo. Querem demonizar a OPEP perante o mundo. Querem mobilizar o mundo contra a OPEP”.

As últimas subidas foram causadas pela previsão de um ano agitado, em termos de furacões. Os serviços meteorológicos dos Estados Unidos publicaram agora a previsão para a época de furacões, que começa no início de Junho. Espera-se um total de nove furacões no Oceano Atlântico.

A preocupação com as reservas a longo prazo está também a fazer subir o preço do barril. Só esta semana, os preços subiram cerca de 5%.