Última hora
This content is not available in your region

Decisores querem Europa competitiva

 Decisores querem Europa competitiva
Tamanho do texto Aa Aa

Os decisores dos grandes grupos da economia global reuniram-se em La Baule, França, durante dois dias, com o objectivo de garantirem a competitividade da Europa.

Num quadro difícil, com a instabilidade do mercado financeiro, o colapso do crédito, e os agravamentos dos preços do petróleo e dos bens alimentares, a Conferência Mundial de Investimento levantou uma questão: pode a Europa manter-se como primeiro destino dos investimentos estrangeiros?

Em 2007, a Europa cativava 40 por cento daquele volume, mas há mudanças que justificam a reflexão. “O que nós analisamos hoje e amanhã, em La Baule, é a capacidade que os europeus têm de investir, em todos os domínios. Mas também a capacidade de conseguirem que as suas invenções, as suas inovações se tornem numa realidade económica, se tornem em produtos industriais”, disse um dos promotores.

O que pode contribuir para uma Europa mais atractiva é a estabilidade política, o quadro legal e o nível de infra-estruturas.

Naguib Sawiris, lider da Orascom, a telecom egípcia, queixa-se ainda de alguns obtáculos na Europa, especialmente, em França. “Há muita ansiedade com os investimentos estrangeiros. Tudo é estratégico. Qualquer coisa que se queira investir, é estratégico. Os europeus, não querem que os estrangeiros venham, e que comprem companhias francesas. Não percebem que hoje o mundo é global. E se não se muda, fica-se isolado. E, se se fica isolado, não se pode ser competitivo e vão perder-se empregos”.

Os europeus têm de ser mais abertos, sobretudo, ao Médio Oriente e ao Mediterrâneo. Uma região que pode vir a ser a grande retaguarda da Europa, com reciprocidade de benefícios. Mas isso exige mudanças e uma maior flexibilidade.