Última hora

Última hora

Irlandeses residentes em Bruxelas falam dos medos face ao Tratado de Lisboa

Em leitura:

Irlandeses residentes em Bruxelas falam dos medos face ao Tratado de Lisboa

 Irlandeses residentes em Bruxelas falam dos medos face ao Tratado de Lisboa
Tamanho do texto Aa Aa

Bruxelas tem os olhos postos na Irlanda. Na próxima quinta-feira, os irlandeses vão às urnas votar o Tratado de Lisboa. Uma sondagem divulgada na sexta-feira dá a vitória ao não, o que a confirmar-se pode fazer descarrilar pela segunda vez o processo, depois do não de franceses e holandeses há três anos.
A poucos dias do referendo, a Euronews foi a Bruxelas sondar os irlandeses aí residentes.
“A preocupação de uma parte do eleitorado irlandês será, porventura, que a União Europeia não beneficie no futuro a Irlanda na mesma medida que o fez no passado”, diz Kevin Keary.
“O lado do não tentou dizer que isto vai, de certa forma, restringir a nossa independência e a nossa capacidade de estabelecer a nossa política fiscal e as nossas taxas de impostos. As pessoas jogaram também com os medos dos agricultores e disseram que isto seria mau para a sua subsistência. Na verdade, eu próprio sou proveniente de uma quinta na Irlanda e, por isso, entendo estes medos e sei também que a União Europeia tem sido esmagadoramente positiva para os agricultores irlandeses”, acrescenta Joe McMale.
Outra emigrante irlandesa, Martina Daly considera que a crise do crédito pode influenciar os eleitores, já que a Irlanda é um dos países da União Europeia mais afectados por ela. “As pessoas estavam nervosas, porque tiveram, ao mesmo tempo, a crise do crédito, as reformas da política agrícola comum, que já estão em curso, e, depois, têm as conversações sobre o comércio mundial, que não eram parte do tratado, mas que foram usadas contra a campanha do sim, que foram usadas na campanha do não”, explica.
Alguns dos milhares de irlandeses que vivem em Bruxelas ainda estão indecisos quanto ao sentido de voto. O músico Peter O’Malley não está convencido quanto às virtudes do Tratado de Lisboa e receia mesmo que a Irlanda possa perder alguma coisa. “Basicamente, a independência e eu pergunto-me se estamos a desistir de muito para obter algo maior, se é que entende o que eu quero dizer… A consolidação da Europa é brilhante, mas depois não os queremos … não queremos os burocratas a interferirem em tudo”, realça O’Malley.
O presidente do Instituto de Estudos Europeus da Universidade de Bruxelas, Mario Tèlo, acha que um mini-plano B será suficiente para ultrapassar a crise provocada por um não irlandês. “A Europa pode avançar mais facilmente com o não de um pequeno país como a Irlanda, do que com a crise mesmo no centro da Europa, como foi o caso francês. Isso fez com que a questão fosse abordada de um modo razoável, como é que eu posso dizer, politicamente mais atractivo, como foi feito pelo Tratado de Lisboa”, sublinha o responsável pelo Instituto.
Mesmo que a União Europeia ultrapasse uma possível rejeição irlandesa, negociando algumas alternativas, um não pode aumentar a pressão sobre o vizinho: o Reino Unido. O Governo de Gordon Brown pode sentir-se obrigado a referendar também o Tratado de Lisboa.