Última hora
This content is not available in your region

"Não" irlandês lança nova crise na UE

 "Não" irlandês lança nova crise na UE
Tamanho do texto Aa Aa

Seis meses depois de nascer, o Tratado de Lisboa recebeu um contundente “Não” irlandês que reaviva o fantasma da crise na Europa dos Vinte e Sete.

Ratificado por 18 países, o texto falhou a “prova de fogo” no referendo na Irlanda, chumbado por 53,4 por cento dos votantes. A festa desta sexta-feira 13 foi para o campo dos eurocépticos.

A procura de uma solução vai coincidir agora com a próxima presidência rotativa da União Europeia, que cabe à França de Nicolas Sarkozy. Uma ironia do destino, já que foi o “Não” dos franceses à falhada Constituição Europeia que conduziu ao tratado simplificado assinado a 13 de Dezembro em Lisboa.

O tom é de desgosto nas palavras do secretário de Estado francês para os Assuntos Europeus, Jean-Pierre Jouyet: “Sinto-me mais do que afectado. Estou devastado, mas penso que devemos aceitar a decisão do povo irlandês, apesar de a lamentarmos”.

A rejeição irlandesa transforma o próximo encontro de líderes europeus numa “cimeira de crise”. Durão Barroso defende a continuação do processo de ratificação.

“Os Vinte e Sete chefes de Estado e de Governo vão encontrar-se na próxima semana e devem analizar como proceder. Penso que o Tratado está vivo e devemos agora tentar encontrar uma solução”, explicou o presidente da Comissão Europeia.

Com a derrota do “Sim” que tanto defendia, o recém designado primeiro-ministro irlandês Brian Cowen reconheceu o fracasso do seu governo e tentou tranquilizar os restantes Estados-membros: “Quero deixar claro aos nossos parceiros europeus que a Irlanda não tem qualquer desejo de bloquear o progresso de uma União que tem representado a maior força, paz e prosperidade da história da Europa”.

Os defensores do Tratado reconhecem o “Não” irlandês como um enorme passo atrás nos esforços de integração europeia.