Última hora
This content is not available in your region

Bruxelas apresenta pacote de medidas sociais

 Bruxelas apresenta pacote de medidas sociais
Tamanho do texto Aa Aa

Amiúde acusada de ignorar as questões sociais, a Comissão Europeia apresenta esta quarta-feira um pacote de medidas que visa provar o contrário. Três directivas estão na forja. Uma sobre os cuidados de saúde transfronteiriços; outras de luta contra as discriminações e uma terceira sobre as comissões de trabalhadores.

Bruxelas está no bom caminho, estima John Monks, o secretário-geral da Confederação Europeia de Sindicatos: “É um passo modesto. Mas é positivo que a Comissão, depois de ter passado por um longo período de sonolência, tenha despertado para o facto de que a Europa social é algo crucial. As pessoas não vão suportar a Europa se ela não tiver uma forte dimensão social que lhes dê confiança neste mundo de incertezas.”

No entanto, a Europa social não faz parte das prioridades da presidência francesa da União, que começou esta terça-feira. Na véspera da tomada de posse, entrevistado pela televisão pública, Nicolas Sarkozy foi claro: “Temos ambições sociais para o trabalho temporário, para as comissões de trabalhadores… Mas, no essencial, a Europa não deve ocupar-se de tudo. As questões sociais devem manter-se ao nível nacional.”

Declarações que desiludem John Monks, sobretudo vindas do presidente de um país tão apegado às questões sociais, como a França: “Tradicionalmente, a França, com diferentes presidentes, nem sempre socialistas, tem sido a melhor amiga da Europa social e têm sido povos como os ingleses que dizem ‘não nos aumentem os custos com a melhoria dos padrões sociais”. É uma grande desilusão ouvir agora o presidente francês dizer o mesmo.”

John Monks sublinha ainda que os cidadãos europeus têm a imagem de uma Europa subordinada às leis do mercado e que esquece os direitos dos trabalhadores.

A França, no seu papel de presidência em exercício da União, vai ter de analisar, como os restantes Estados membros, as três propostas de directiva de Bruxelas.