A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.
Última hora

Festa nas províncias independentistas pelo voto do parlamento russo contrasta com a consternação no Ocidente.

 Festa nas províncias independentistas pelo voto do parlamento russo contrasta com a consternação no Ocidente.
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Festa na Abcásia e na Ossétia do Sul a contrastar com a consternação no Ocidente depois do parlamento russo ter aberto o caminho ao reconhecimento da independência das províncias separatistas da Geórgia.

Nas ruas de Tskhinvali, na Ossétia do Su,l a população russófona celebrou o voto da Duma:

“Vamos ter uma vida normal, com paz, calma, liberdade e a possibilidade de desenvolver-nos”, explicou uma habitante da capital osseta.

“Estou feliz e encantada. Esperamos muito por este momento” afirmava em lágrimas outra habitante de Tskhinvali.

No terreno, a Rússia afirma já só ter na Geórgia as forças de manutenção da paz, algo que nem Tbilissi nem o Ocidente acreditam.

Na Abcásia, o exército separatista assumiu o controlo de uma base georgiana abandonada. A televisão russa mostrou imagens de bombas de fragmentação, munições com inscrições em inglês e afirma que foram também encontradas armas de destruição maciça no local abandonado pelas tropas da Geórgia.

As duas câmaras do parlamento russo aprovaram esta segunda-feira por unanimidade resoluções a favor do reconhecimento da independência das duas províncias separatistas da Geórgia.

O voto não é vinculativo. Uma decisão final será tomada pelo presidente russo, que pode utilizar o voto do parlamento como moeda de troca nas negociações com o Ocidente.

Na residência de verão em Sochi, a poucos quilómetros da Abcásia, Dimitry Medvedev, afirmou que o seu país não tem medo das ameaças que têm sido feitas pela Casa Branca, nomeadamente de um eventual corte de relações com a NATO.