Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

UE avalia eventuais medidas contra Moscovo

UE avalia eventuais medidas contra Moscovo
Tamanho do texto Aa Aa

A futura parceira entre a União Europeia (UE) e a Rússia pode ser a primeira vítima do deterioramento das relações entre Bruxelas e Moscovo. A crise na Geórgia levou a Polónia e os países bálticos a pedir o adiamento das negociações, cuja segunda ronda está agendada para 15 e 16 de Setembro. Foi em Junho, na Sibéria, que a Rússia e a União abriram, enfim, as negociações.

A Rússia deve garantir a segurança do fornecimento de energia e abrir-se ao investimento europeu. O embaixador russo em Bruxelas, Vladimir Chizhov, garante que Moscovo é um aliado de confiança: “A Rússia não quer o controlo exclusivo dos gasodutos. Calculamos que, no futuro, a Europa vá precisar de muito mais energia, talvez de fontes diferentes, mas qualquer que seja a procura, do lado russo, as nossas companhias irão executar o pedido prontamente. A longo prazo, certamente que continuaremos de olhos postos numa cooperação reforçada com os nossos clientes europeus.”

A Rússia, estimam os analistas, não tem interesse em perder o seu principal cliente, em termos de energia. Mas a Europa, apesar de depender energeticamente de Moscovo, não deve rebaixar-se a qualquer preço, defende o eurodeputado polaco Jacek Saryusz-Wolski, presidente da comissão parlamentar de Negócios Estrangeiros: “Precisamos da Rússia, e da melhor cooperação possível – mas baseada em normas civilizadas, europeias e internacionais. É do nosso interesse económico que sejam impostas regras e que estas sejam respeitadas. E isto aplica-se igualmente a quem está interessado numa maior cooperação em termos de energia e de segurança, com a compra de gás e de petróleo. E a situação no Sul do Cáucaso é uma clara ameaça à segurança energética, à segurança dos investimentos das companhias europeias nos gasodutos e nos oleodutos russos. Por isso, os pontos de vista da segurança e da economia são convergentes e não divergentes.”

Outra medida que os Vinte e Sete poderão aplicar contra Moscovo é o congelamento das discussões para a supressão de vistos. Bruxelas tinha-se comprometido a suprimir os vistos dos cidadãos russos que viajem para a Europa.