Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.
Última hora

Geórgia espera apoio da UE

Geórgia espera apoio da UE
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

O presidente da Geórgia deposita grandes expectativas na cimeira da União Europeia.

Mas os 27 – que já condenaram o reconhecimento da independência da Ossétia do Sul e da Abcásia por parte de Moscovo – não deverão adoptar sanções contra a Rússia.

Paris e Berlim querem evitar a confrontação.

Ontem, o chefe de estado russo adoptou o mesmo discurso.

Dimitri Medvedev afirmou que “a Rússia não deseja a confrontação, não se quer isolar e pretende desenvolver as suas relações com a Europa, com os Estados Unidos e com outros países”.

Entretanto a maioria das tropas russas abandonou o território georgiano na semana passada mas ainda há soldados na cidade portuária de Poti, no mar Negro, e em Gori.

O plano de paz elaborado pela presidência francesa da União inclui a implementação de um mecanismo de vigilância na Ossétia do Sul e na Abcásia e o lançamento de conversações internacionais sobre as duas repúblicas separatistas.

Face à relutância de Moscovo em sair da Geórgia vários Estados-membros, como o Reino Unido e a Polónia pedem sanções mas a dependência europeia em matéria de energia deixa pouca margem de manobra aos 27.

Charles Essen, especialista em questões energéticas, sublinhou que “a Rússia seria prejudicada se não pudesse exportar o petróleo e o gás mas a situação seria igualmente prejudicial para a a Europa e as duas partes sabem isso”.