Última hora
This content is not available in your region

Greve na Boeing ameaça finanças da empresa

Greve na Boeing ameaça finanças da empresa
Tamanho do texto Aa Aa

Os trabalhadores da construtora aérea norte-americana, Boeing, iniciaram esta meia-noite uma greve por tempo indeterminado, depois do fracasso das negociações contratuais entre sindicatos e direcção.

Os representantes dos cerca de 27 mil funcionários da empresa, sediada em Seattle, rejeitaram a proposta de aumentos salariais, assim como a decisão da Boeing de suprimir os benefícios em termos de pensões e segurança social.

Um dos grevistas, diz estar preparado para uma greve prolongada: “Eu posso pagar as minhas facturas com as economias que tenho guardadas, mas para a Boeing será mais difícil resistir porque o valor das facturas da empresa é muito mais elevado do que as minhas”.

A última greve dos trabalhadores da empresa, em 2005, durou 28 dias. A paralisação poderá custar mais de 100 milhões de dólares diários, ameaçando agravar os problemas económicos da Boeing.

A entrega de 900 aparelhos do modelo 787 Dreamliner conta já com 2 anos de atraso e vários clientes ameaçam pedir indemnizações à empresa.