Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Altria aposta no tabaco de mascar

 Altria aposta no tabaco de mascar
Tamanho do texto Aa Aa

As proibições de fumar nos locais fechados estão a alastrar-se a praticamente todos os países do mundo ocidental. Acender um cigarro é cada vez mais difícil. A solução, para o gigante mundial Altria, pode passar pelo tabaco de mascar.

O grupo norte-americano, casa-mãe da Philip Morris, comprou a UST, maior fabricante, nos Estados Unidos, deste tipo de tabaco.

O cientista Chris Proctor, que trabalha para a BAT, defende a nova moda: “Os cigarros eram uma novidade no início do século passado. Antes, usava-se o rapé ou os charutos. Depois apareceram os cigarros, que eram uma novidade, uma coisa mais popular. No futuro, os cigarros podem ser substituídos pelo tabaco de mascar”.

A Altria é a segunda maior tabaqueira mundial, com uma fatia de mercado de 18,7%, atrás da companhia nacional chinesa de tabaco. Tem como principais concorrentes a britânica BAT e a japonesa Japan Tobacco.

O consumo de tabaco tem vindo a diminuir drasticamente nos Estados Unidos desde o início dos anos 80, altura em que começaram as restrições. Apesar da proibição, cada vez mais apertada, o tabaco está na origem de dois milhões e meio de cancros, registados no país entre 1999 e 2004, segundo um estudo agora publicado.

Na Europa, só há pouco tempo as restrições ao uso do tabaco começaram a entrar nas leis nacionais.

Embora sem fazer fumo, o tabaco de mascar é igualmente perigoso para a saúde.