Última hora
This content is not available in your region

Incerteza política na Áustria

Incerteza política na Áustria
Tamanho do texto Aa Aa

Os austríacos criticaram os dois grandes partidos da coligação cessante? Os imigrantes? Ou a Europa? É difícil analisar o resultado das eleições legislativas, e em particular a subida das duas formações da extrema-direita. Juntas, têm perto de um terço dos votos e constituem a primeira força política do país.

Para alguns… o resultado é amargo: “não é nada bom”. Para outros é apenas a resposta de muitas pessoas insatisfeitas com o governo da coligação nos últimos dois anos. Mas um eleitor lembra que é de uma época em que a vitória da direita teve graves consequências.

Os sociais democratas continuam a ser a primeira força do país, mas baixaram para 29,7 por cento dos votos. O antigo aliado, o Partido Popular, ficou a seguir, com mais de 25%.

Juntos, os antieuropeístas FPÖ, de Strache, e a Aliança para o futuro da Áustria, de Jorg Haider, têm mais votos do que as outras forças políticas. No ano 2000, a participação de Jorg Haïder no governo acarretou sanções políticas contra a Áustria dos 14 membros da União Europeia. Esta segunda-feira, a reacção em Bruxelas foi prudente. “Estamos todos impacientes para continuar a ter a Áustria como parceiro importante e construtivo no seio da União Europeia.”.

Hans Christian Strache, líder do FPÖ e Jorg Haïder do BZÖ exultaram de alegria e distribuíram sorrisos vitoriosos, prometendo uma nova era. Mas o que vai acontecer ainda é uma incógnita porque, mesmo com aliados, não conseguem governar sozinhos. E quem os quer numa coligação?

Entretanto, é de colocar a hipótese de nova tentativa e fracasso de uma grande coligação com os dois partidos que não se entenderam nos últimos 18 meses.

A realização das eleições antecipadas deveu-se à ruptura, em Julho, da coligação esquerda-direita pro causa das divergências quanto à reforma fiscal e às medidas para aliviar a escalada dos preços dos alimentos e da energia.