Última hora
This content is not available in your region

UE ataca crise financeira reforçando fundos de garantia

UE ataca crise financeira reforçando fundos de garantia
Tamanho do texto Aa Aa

Esta terça-feira, a crise nas bolsas europeias foi manchete em todos os jornais. Apesar dos anúncios dos governos, o pânico tomou conta dos mercados e teme-se que atinja também os particulares, apesar de, até agora, terem reagido calmamente. O que está em jogo é evitar que os investidores retirem o dinheiro depositado nos bancos.

Neste sentido, a Europa deu uma resposta clara aos cidadãos. O presidente da Comissão Europeia, Durão Barroso, explicou que não é apenas uma questão de injectar liquidez, é preciso injectar credibilidade na resposta europeia. Por isso pediu aos Estados membros uma colaboração mais próxima.

Daí a criação do fundo de garantia dos depósitos, uma espécie de seguro que as instituições financeiras de um Estado quotizam e que permite, em caso de falência, indemnizar o cliente. O primeiro sistema nasceu em 1933 nos Estados Unidos, durante a Grande Depressão.

Hoje, todos os Estados europeus têm um fundo idêntico mas com reembolsos diferentes. Alguns países, entre eles a Espanha, a Itália e a Irlanda, vão apostar num valor mínimo de 100 mil euros. Mas a Alemanha dá uma garantia de 100 por cento do depósito dos clientes.

A União Europeia acordou aumentar para 50 mil euros o montante mínimo de garantia bancária em caso de falência da instituição bancária, em vez dos 20 mil euros, inicialmente acordados.

A iniciativa visa tranquilizar os cidadãos, mesmo se para alguns a questão da quantia garantida colocar um problema.

Como afirma um financeiro, a geração mais velha está genuinamente preocupada com a hipótese de perder as poupanças e, há que dizê-lo claramente, se essas pessoas colocarem tarnches de 35 mil euros em diferentes bancos vão ser sempre reembolsadas, já que há uma compensação limite para cada caso.

Em caso de falência do sistema o fundo não serve para cobrir as poupanças de todo um país, mas o que urge, agora, é restaurar a confiança para evitar uma repetição da crise de 1929. Nessa altura quando os clientes retiraram as economias dos bancos e provocaram falências em cadeia no sector.