Última hora
This content is not available in your region

Crise actual relega alterações climáticas para segundo plano

Crise actual relega alterações climáticas para segundo plano
Tamanho do texto Aa Aa

A luta contra as alterações climáticas passou para segundo plano. A União Europeia reviu, em baixa, os seus planos de combate ao aquecimento global. Com a actual crise financeira e o abrandamento da economia, vários são os dirigentes europeus que recusam correr o risco de fragilizar as suas indústrias.

A União quer reduzir as emissões de gases com efeito de estufa, em 20%, em 2020, face aos valores de 1990. Para isso, Bruxelas pretende obrigar as empresas mais poluidoras a pagar por cada tonelada de CO2 emitida. A presidência francesa União está consciente do desafio que enfrenta. “Podemos falar de paradoxo, porque a crise está muito presente nos nossos espíritos e, ao mesmo tempo, procuramos uma resposta estrutural de longo prazo para estas e outras crises”, explica Jean-Louis Borloo, ministro francês da Ecologia e Energia.

Para convencer os mais renitentes, como a Alemanha ou a Polónia, a França deverá propor um compromisso, na cimeira europeia da próxima semana: 100% das quotas de emissão gratuitas para uma lista restrita de empresas seleccionadas.

O objectivo é garantir a competitividade da indústria europeia, sem contudo pôr em causa os objectivos da luta contra as alterações climáticas: incluindo o aumento da utilização das energias renováveis.