Última hora
This content is not available in your region

Três reuniões de crise em Washington

Três reuniões de crise em Washington
Tamanho do texto Aa Aa

As principais organizações económicas e financeiras mundiais reúnem-se a partir de hoje e durante o fim-de-semana, em Washington, para discutir soluções para fazer face à crise internacional.

A reunião do G7, do FMI e do Banco Mundial ocorre depois da entrada em vigor do plano Paulson de resgate do sector bancário, e num momento em que vários países, como o Reino Unido, defendem uma intervenção similar ao nível europeu.

Mais do que uma solução global, as reuniões deverão defender uma política coordenada para proteger bancos e contribuintes.

Um segundo passo, depois dos principais bancos centrais terem decidido, em conjunto, a descida das taxas de juro de referência em meio ponto percentual.

Mas, até agora, as medidas políticas não conseguiram travar a queda das principais bolsas mundiais, de Wall Street a Moscovo.

Em um mês, a crise financeira, deu lugar a uma crise económica e de confiança na Europa, mas também nas economias emergentes, ameaçadas agora pela recessão e pela subida do desemprego.

“Uma cobertura global de segurança. É disso que os investidores precisam. É disso que os políticos continuam a falar mas até agora não tem havido uma resposta global. Muitas medidas individuais, mas na verdade os investidores esperam uma resposta comum. E há uma oportunidade este fim de semana, com as reuniões do G7 e do FMI, provavelmente as mais importantes em pelo menos uma década, provavelmente das últimas quatro décadas desde que a instituição foi criada”, afirma um analista de Wall Street.

Para a reunião do FMI, Dominique Strauss-Khan anunciou a criação de um mecanismo de empréstimos para os países menos desenvolvidos. A penúria de créditos, ameaça torná-los nas principais vítimas da crise.