A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.
Última hora

Centenas de pessoas protestam contra abertura de mesquita em Berlim

 Centenas de pessoas protestam contra abertura de mesquita em Berlim
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

A abertura do primeiro local de culto muçulmano no leste da Alemanha está provocar polémica.

Cerca de 200 pessoas manifestaram-se esta quinta-feira junto à Mesquita de Ahmaddyya em Berlim oriental.

As autoridades acreditam que o aparecimento de mais espaços do género ajudarão a integrar os mais de três milhões de muçulmanos do país.

Wolfgang Thierse, vice-presidente da Câmara baixa do parlamento alemão (SPD): “Eu percebo que as pessoas tenham preocupações, e os preconceitos têm muito que ver com o desconhecido, por isso julgo que podemos ultrapassar os preconceitos através do conhecimento”.

Os manisfestantes empunhavam cartazes contra a “islamização da Europa e o “abuso da liberdade religiosa”. O líder da comunidade islâmica Ahmadiyya diz que “há uma fobia do Islão na Alemanha, e em parte é justificada. Em muitos países islâmicos não há liberdade religiosa, liberdade de opinião e muitos cristãos criticam isso. E têm o direito de fazê-lo. Mas nós representamos um Islão diferente”.

O grupo dos anti-muçulmanos da antiga Alemanha comunista é constituido em parte por militantes de extrema-direita e residentes idosos.

O moovimento Ahmadyyia, que se define como muçulmano mas não é reconhecido como tal por alguns grupos muçulmanos, foi fundado na Índia no século XIX.