Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

As consequências da crise económica poderão levar o governo britânico a restringir a entrada de imigrantes

As consequências da crise económica poderão levar o governo britânico a restringir a entrada de imigrantes
Tamanho do texto Aa Aa

Numa entrevista ao jornal “The Times”, o novo ministro da imigração Phil Woolas defende a redução do fluxo migratório, temendo o crescimento da população britânica, de 61 milhões, “para lá de 70 milhões de habitantes”.

Até hoje os trabalhistas opunham-se a fixar quotas máximas à entrada de estrangeiros. “Penso que temos de discutir o tema da imigração. Não falar disso criou problemas na minha circunscrição eleitoral há 7 anos. Temos de fazê-lo de uma forma madura, sem discriminação e baseando-nos em factos, mas discutindo o problema”, afirma Woolas.

As afirmações semeiam a divisão no governo que reforçou há meses a política de imigração, fazendo-a depender das necessidades laborais. Uma transeunte afirma que, “a imigração deve ser parada definitivamente e que a decisão deveria ser tomada antes”.

Outro concorda com mais restrições, “para que só se permita a entrada dos imigrantes que têm trabalho, é a única forma de poderem viver no país. Se o governo admite estar a mudar a política de imigração, muitos responsáveis afirmam que as novas medidas passarão, antes de mais, por limitar o número de regularizações.

Nos últimos seis anos, dois milhões de estrangeiros instalaram-se no Reino Unido, alimentando o crescimento económico do país.