Última hora
This content is not available in your region

Ecofin rejeita plano comum de relançamento da economia

Ecofin rejeita plano comum de relançamento da economia
Tamanho do texto Aa Aa

Os ministros das Finanças dos Vinte e Sete estão reunidos em Bruxelas e para já está posta de parte a adopção de um plano comum para relançar a economia europeia.

Tal como foi referido ontem no final da reunião do Eurogrupo, os ministros europeus preferem apoiar medidas nacionais coordenadas e que tenham em conta as necessidades de cada membro para limitar os efeitos da crise. Efeitos bastante nefastos, de acordo com o corte nas previsões de crescimento da economia do velho continente anunciado ontem pela Comissão Europeia.

O crescimento previsto nos 15 países da Eurozona é de 1,2 por cento, em 2008. No próximo ano deverá registar-se uma estagnação do PIB que não deverá ultrapassar os 0,1%. De acordo com Bruxelas, Portugal vai terminar o ano em recessão.

Em conferência de imprensa, o ministro das Finanças luxemburguês e presidente do Eurogrupo, Jean-Claude Juncker, referiu que “é preciso aplicar a boa política económica para fazer face ao abrandamento actual. É a razão pela qual nós estamos de acordo para levar a cabo uma política orçamental contra-cíclica de acordo com as disposições previstas no Pacto de Estabilidade e de Crescimento revisto em Março de 2005”, concluiu.

A conclusão de que os 1,7 mil milhões de euros de medidas de urgência adoptadas pelos Estados-membros vão deteriorar as finanças nacionais levou a Comissão Europeia a propor uma flexibilização do Pacto de Estabilidade.