A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.
Última hora

Novos combates iminentes na República Democrática do Congo

Novos combates iminentes na República Democrática do Congo
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

As organizações humanitárias internacionais retomaram ontem a distribuição de víveres na República Democrática do Congo, onde os combates entre exército e rebeldes provocaram até agora mais de 250 mil refugiados.

A Cruz Vermelha Internacional começou ontem a distribuir 208 toneladas de comida, no Leste do país, junto à fronteira do Uganda, onde se concentram mais de 50 mil pessoas.

Na cidade de Goma, onde os confrontos ameaçam recomeçar a todo o momento, a organização “Médicos Sem Fronteiras” teme o surgimento de uma epidemia de cólera entre os milhares de refugiados.

Uma responsável da organização afirma: “neste campo registámos 43 casos suspeitos de cólera. Neste momento estamos a tentar melhorar as condições sanitárias que não são as melhores”.

Às portas da cidade de Goma, na fronteira entre as províncias do Kivu norte e do Kivu Sul, a missão da ONU tenta que rebeldes e exército respeitem um cessar-fogo que dura desde o início do fim-de-semana.

Os ministros dos Negócios Estrangeiros da União Europeia, reunidos ontem em Bruxelas, mostraram-se preocupados com o risco de se repetir um cenário similar ao do genocído ruandês de 1994.

O responsável francês dos assuntos europeus, excluiu no entanto o envio de tropas para a RDC, reconhecendo, “a necessidade de reforçar o exército congolês”.

A rebelião liderada pelo general, de etnia tutsi, Laurent Nkunda, formado no Ruanda, afirmou que considerará como inimigas todas as tropas estrangeiras mobilizadas para o país.

O conflito que dura há dois meses, ameaça tomar uma dimensão regional.

Ruanda e Uganda são acusados de financiar as milícias revoltosas, tanto para vingar o genocído ruandês como para controlar as importantes jazidas de ouro, diamantes, cobalto e coltan congolesas.