Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Europa comemora o Dia do Armísticio.

 Europa comemora o Dia do Armísticio.
Tamanho do texto Aa Aa

A primeira guerra mundial terminou há 90 anos e esta manhã, em Mulhouse, 21 países da União Europeia pedem uma memória comum dos grandes conflitos europeus para preservar a comemoração.

Foi a França, palco por excelência do conflito de 14-18, que propôs estes primeiro encontros europeus da memória e as comemorações, tradicionalmente realizadas em Paris, deslocaram-se este ano para o forte de Douaumont, o local onde decorreu a batalha de Verdun, na qual morreram 300 mil soldados.

A guerra fez oito milhões de mortos, apenas na Europa, mas calcula-se em mais de 15 milhões o total das vítimas.

Os países reunidos nesta cerimónia propõem a introduções de símbolos europeus nas comemorações como um hino, uma bandeira, ou mesmo o envio de delegações de cidades geminadas em cada local onde houver celebrações.

A proposta inclui também o pedido de classificação como património mundial da Unesco dos principais campos de batalha da I Guerra Mundial.

Também como todos os anos, a Bélgica comemorou o aniversário da assinatura da paz entre alemães e aliados.

O ponto alto das comemorações decorreu em Ypres a cidade mártir onde os combates não cessaram durante os quatro anos da guerra.

Centenas de milhar de soldados perderam a vida nestes campos, cerca de 90 mil nunca foram encontrados nem identificados.

Representantes do mundo inteiro vieram hoje aqui para que a vida destes homens não se perca na bruma da memória colectiva.