Última hora
This content is not available in your region

Plano de resgate do sector automóvel em

Plano de resgate do sector automóvel em
Tamanho do texto Aa Aa

Os grandes construtores automóveis norte-americanos não conseguiram convencer os democratas do Congresso a aceitar um plano de resgate do sector.

Ao final de dois dias de audiências em Washington, a maioria democrata considerou que os patrões da General Motors, da Ford e da Chrysler não deram garantias para poder reembolsar os 25 mil milhões de dólares de dinheiro público.

Para o líder da maioria democrata no Senado, Harry Reid, “os directores das construtoras não conseguiram convencer o Congresso e o povo americano de que este plano de resgate será o último”.

Os construtores têm agora 12 dias para apresentar um novo plano, que poderá ser submetido ao congresso no início de Dezembro.

O campo republicano tinha proposto utilizar parte dos 700 mil milhões de euros do plano de resgate ao sector bancário na recuperação da indústria automóvel.

Para o senador republicano, George Voinovich, “se não agirmos as empresas vão afundar-se, estamos face a um cenário de recessão económica e pelo que percebo já estamos com a àgua até ao pescoço”.

O adiamento da aprovação do plano para o sector automóvel voltou a fazer estremecer a bolsa de Wall Street.

O Dow Jones caíu mais de 5% pelo segundo dia consecutivo, atingindo o nível mais baixo dos últimos cinco anos e meio.

Os investidores mostram sinais de preocupação crescente, face às previsões de recessão e deflação económica, num momento em que a taxa de desemprego é a mais elevada dos últimos 16 anos.