Última hora

Última hora

Economistas cépticos em relação ao plano europeu de relançamento económico

Em leitura:

Economistas cépticos em relação ao plano europeu de relançamento económico

Economistas cépticos em relação ao plano europeu de relançamento económico
Tamanho do texto Aa Aa

Bem recebido pela generalidade dos Estados-membros, o plano de relançamento económico da Comissão Europeia sabe a pouco para a maioria dos economistas.

Durão Barroso anunciou ontem um plano orçado em 200 mil milhões de euros, o equivalente a 1,5 por cento do PIB da União Europeia.

Em conferência de imprensa, o presidente do executivo europeu explicou que se trata de uma proposta de “acção coordenada entre os estímulos fiscais ao nível nacional e um financiamento europeu.

Em relação à indústria automóvel, Durão Barroso explicou que é preciso ajudar o sector a tornar-se mais moderno e mais ecológico.

O presidente da Comissão explicou ainda que dos 200 mil milhões de euros, 170 mil milhões deverão ser suportados pelos Estados-membros.

Para o analista alemão, Christian Dreger, “a União Europeia propôs uma redução do IVA para estimular o consumo, mas já há um estímulo ao consumo que é a queda dos preços do petróleo. Tem vindo a cair desde o Verão, o que aumento o poder de compra das famílias de forma significativa.”

Se para Durão Barroso o pacote de medidas elaborado pelo seu executivo “é a melhor forma de devolver a confiança aos cidadãos” e de voltar a colocar a Europa “no trilho do crescimento e do emprego”, para os economistas trata-se de um plano em nada revolucionário e que não vai ter o impacto necessário na economia europeia.