Última hora
This content is not available in your region

Terrorismo tem matriz islâmica na Índia

Terrorismo tem matriz islâmica na Índia
Tamanho do texto Aa Aa

Há menos de um mês, a 30 de Outubro, no norte do país, 76 mortos. Mas também a 20 de Outubro, a 30 de Setembro, a 13 de Setembro, a 26 de Julho e 13 de maio. Sete atentados com mais de 35o vítimas mortais desde o início de 2008. Há vários anos que a Índia é refém do terrorismo.

O que é um novo fenómeno é que já não é mera destabilização do Paquistão ou do Bangladesh vizinhos, mas é algo enraízado na sociedade indiana. A maioria dos atentados foi reivindicada por islamitas indianos.

Os “mujahideens” indianos, movimento constituido por diversos grupos, em que não é de excluir a influência estrangeira, mas composto por uma maioria de muçulmanos indianos que reivindicam melhores condições de vida para os 14 por cento de muçulmanos do país, caso contrário atacam a Índia e os Estados Unidos.

Tazeen Murshid , Professora catedrática de Relações Internacionais , considera que estes atentados revelam muita determinação.

“Ainda é preciso investigar para ver quem são estes Mujahideen do Decão (combatentes islâmicos do planalto central da Índia), se eles estão a usar o nome para atrair as atenções ou se é por estarem ligados ao Afeganistão ou se à fronteira norte com o Paquistão ou Cachemira. O que vejo é que, atacando Mumbai (Bombaim), que é o mercado económico e financeiro da Índia, estão a declarar estar dispostos a debilitar a Índia, a fim de promover uma causa. Definitivamente, estão a fazer uma declaração ao governo da Índia de que alguma coisa está mal e o governo deve tomar conhecimento disso. “

Até agora os dois principais grupos islamitas conhecidos eram o Lashkar-e-taiba(LeT) et le Harkat-ul-jihad-al-islami (HuJI) baseados no paquistão e no Bangladesh. Os principais chefes foram detidos nos últimos anos. O aparecimento de uma jihad indiana pode estar ligado ao movimento islâmico dos estudantes da Índia, interdito em 2001 pelo governo, que defende uma islamização do país.