Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Núvens negras sobre Poznan

Núvens negras sobre Poznan
Tamanho do texto Aa Aa

A conferência climática da ONU tem 12 dias para tentar dissipar as núvens negras do debate sobre a redução de emissões de dióxido carbono em todo o planeta. Representantes de mais de cento e oitenta países estão reunidos em Poznan, na Polónia, para tentar chegar a um consenso sobre as metas ambientais a fixar após o tratado de Quioto, que expira em 2012.

Para as organizações ambientais é urgente chegar a um consenso, como afirma um responsável da WWF: “Esperamos que esta conferência termine com propostas negociais definitivas. Se continuarmos apenas a discutir apenas ideias não conseguiremos quebrar a casca do clima para chegar ao cerne da questão”. Os Estados Unidos prometem para já quebrar o gelo de anos de oposição às medidas. O novo presidente eleito Barack Obama, afirmou-se pronto a reduzir a emissão de gases poluentes até 2020, se a China estiver pronta a segui-lo. Mas o contexto de crise económica ameaça as boas intenções ecologistas, em especial entre os países industrializados. O primeiro-ministro polaco Donald Tusk, sublinhou que, “as crises financeiras e económicas vão e vêm, mas a preocupação com o ambiente tem de ser um valor constante e partilhado por todos”. A Itália parece não partilhar da mesma opinião. Roma voltou a criticar os custos dos objectivos da União Europeia de reduzir a emissão de gases poluentes em 20% até 2020. À espera de um acordo, e sem uma solução, metade da humanidade poderá perder ao acesso à água potável nos próximos quarenta anos.