Última hora
This content is not available in your region

Fabricantes europeus de automóveis também querem dinheiro

Fabricantes europeus de automóveis também querem dinheiro
Tamanho do texto Aa Aa

Depois dos Estados Unidos, foi a vez da Suécia aprovar um pacote de apoio à indústria automóvel. O Estado sueco vai dar aos fabricantes de automóveis um crédito de 25 mil milhões de coroas, o equivalente a 2,4 mil milhões de euros.

Estocolmo descarta, no entanto, a possibilidade de entrar no capital da Volvo ou da Saab. “Estes fundos vão ser entregues com o objectivo de assegurar os projectos de pesquisa e desenvolvimento destes fabricantes. Servem também para assegurar que a produção continua a fazer-se na Suécia”, disse o ministro das Finanças, Anders Borg. Tanto a Volvo como a Saab pertencem a grupos norte-americanos – a Ford e General Motors. Por culpa da crise que está a afectar o sector, as casas-mãe decidiram pôr estas duas empresas à venda. As construtoras alemãs também querem mais dinheiro, mas desta vez pedem dólares ao governo norte-americano. A federação alemã do sector diz que as empresas, como a Daimler ou a BMW, que têm fábricas nos Estados Unidos devem também receber uma parte do dinheiro do congresso. “Não se pode eliminar nenhum cenário, no mercado automóvel. A crise pode durar até ao próximo ano e então será preciso fazer mais ajustamentos na produção, o que aumenta os riscos para o emprego”, diz o analista Willi Diez. Da Suécia e da Alemanha para a Espanha. Aquela que é a terceira maior indústria automóvel da Europa, com 70.000 trabalhadores, está a passar por uma crise. As paragens obrigatórias no trabalho são agora frequentes. Valladolid, onde há uma fábrica de motores da Renault, foi palco de uma manifestação contra estas paragens. A fábrica de Sevilha, que faz caixas de velocidades para a mesma marca, anunciou uma paralisação até ao dia sete de Janeiro.
A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.