Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Presidência francesa da UE: resultados satisfazem, o método nem por isso

Presidência francesa da UE: resultados satisfazem, o método nem por isso
Tamanho do texto Aa Aa

O balanço de seis meses de presidência francesa da União, feito por Nicolas Sarkozy, foi bem recebido pela grande maioria dos eurodeputados. Esta terça-feira, o ainda presidente em exercício da União discursou no Parlamento Europeu, onde louvou a unidade demonstrada pela Europa, em temas que vão do Tratado de Lisboa, à guerra na Geórgia, passando pelo pacote climático ou pela crise financeira. “Na crise financeira, a Europa esteve unida. A Europa pediu a realização da Cimeira de Washington. A Europa pediu o G20. A Europa organizará, em Londres, no próximo dia 2 de Abril, a cimeira da reforma da governação mundial. A Europa tentou defender a uma só voz as suas convicções”, afirmou Nicolas Sarkozy.

À excepção da extrema-direita – anti-europeísta – e dos verdes – desiludidos com o acordo sobre o clima, que consideram insuficiente -, os resultados da presidência francesa foram largamente aplaudidos. Mas o estilo Sarkozy, esse incomoda, como se depreende das palavras do eurodeputado socialista alemão Jo Leinen: “Temos de ter cuidado para que as decisões das cimeiras não firam os fundamentos e as regras da União. A tentação de procurar o sucesso rápido e de deixar de lado as normas é grande e esse era, um pouco, o perigo que corríamos com Sarkozy e com a presidência francesa.” A forma como Nicolas Sarkozy assumiu a liderança na crise financeira, relegando Durão Barroso e a Comissão Europeia para segundo plano também provocou alguns incómodos, incluindo no próprio Partido Popular Europeu, ao qual a UMP de Sarkozy pertence. “A crítica que podemos eventualmente fazer a Nicolas Sarkozy”, diz o belga Jean-Luc Dehaene, “é que ele considera a Comissão um pouco como o secretariado do Conselho. Esse não é o papel da Comissão – e menos ainda durante a crise. Nesta matéria, a Comissão fechou-se um pouco. Enquanto, pelo contrário, no pacote climático e energético demonstrou que podia ser o motor da Europa.” A presidência francesa da União termina oficialmente a 31 de Dezembro. Mas Estrasburgo preparou, para esta terça-feira, um concerto de despedida.