Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Europa treme de frio

Europa treme de frio
Tamanho do texto Aa Aa

Da Sibéria apenas tem chegado à Europa o frio polar.

A guerra do gás afecta dezoito países europeus, entre eles a Sérvia, onde as temperaturas rondam os quinze graus negativos. Belgrado tem privilegiado o consumo doméstico e muitas empresas são obrigadas a parar a produção. É o caso da maior farmacêutica do país, obrigada a enviar para casa os mil e quinhentos funcionários, o que nunca tinha acontecido nem mesmo durante as guerras nos anos noventa. Mas Dejan Ivanovic, director técnico da empresa, garante que o país não está à beira de ruptura de medicamentos e material médico, visto possuirem stock para um mês. Para já, tem funcionado a ajuda mútua entre Estados. Alemanha e Hungria fornecem a Sérvia que por sua vez ajuda a Bulgária, que receberá também gás das reservas ucranianas. A Bulgária é um dos países mais afectados, tendo em conta a dependência quase total do gás russo. Milhares de búlgaros estão sem aquecimento, com temperaturas que variam entre os cinco e os dezassete graus negativos. Uma habitante de Sófia explica que o aquecimento central foi desligado e têm de recorrer aos aquecedores eléctricos, mas não é o mesmo. Sem alternativa ao gás, quase uma centena de empresas foram obrigadas a fechar, o que causa prejuízos de cerca de trezentos milhões de euros diários. Um peso suplementar para um dos países mais pobres da Europa.