Última hora
This content is not available in your region

Debate emotivo em Itália após morte de Eluana

Debate emotivo em Itália após morte de Eluana
Tamanho do texto Aa Aa

Emocionada a Itália vive um debate feroz sobre a eutanásia depois da morte da mulher que esteve 17 anos em coma e a quem foi suprimida a alimentação.

O primeiro-ministro Silvio Berlusconi, que enviou um projecto-lei ao parlamento para contornar a recusa do presidente em assinar um decreto para impedir o fim da alimentação da paciente lançou duras criticas a Giorgio napolitano. Alguns opositores da eutanásia consideram estranha a morte de Eluana Englaro, que estava sem alimentação há 4 dias, após autorização do supremo tribunal. O advogado da família confirma que vai ser feita uma autópsia. Afirma que face a estranhos rumores de pessoas que desconheciam o que de facto se estava a passar, serão feitos exames toxicológicos para se poder reconstruir a actividade da equipa médica. Esta terça-feira o Senado acabou por aprovar a moção de Berlusconi que obriga a alimentar e a hidratar pessoas incapacitadas par ao fazer. A igreja católica com fortes ligações na vida política anunciou que a morte não foi natural. O ministro da saúde do Vaticano foi mais longe. “Dizemos que quem mata é culpado de violar o quinto mandamento”, disse. Para Eluana, que tinha um corpo fortemente deteriorado face a 17 anos em coma, não haverá funeral. Apenas uma bênção antes de ser cremada.