Última hora
This content is not available in your region

Estado aumenta participação no Citigroup

Estado aumenta participação no Citigroup
Tamanho do texto Aa Aa

40 por cento do capital do Citigroup pode acabar nas mãos das autoridades federais norte-americanas. O Estado entrou no capital do banco nova-iorquino em Outubro mas agora a direcção discute um novo plano com a administração Obama. Os executivos da instituição gostariam que a participação estatal não ultrapassasse os 25 por cento. Em qualquer dos casos o Estado federal ficará com um poder enorme num dos maior bancos do mundo.

Em Inglaterra, o nacionalizado Northern Rock vai servir de ponta-de-lança à estratégia de Londres para relançar o crédito e tentar salvar a economia do país. A injecção de milhares de milhões libras no banco para a concessão de créditos pode criar concorrência numa área onde os bancos não estão activos, nomeadamente os empréstimos a quem compra pela primeira vez. Em França, a fusão entre os bancos Caisse d’Epargne e Banque Populaire vai contar com a contribuição financeira do Estado. Paris prepara-se para emprestar entre dois a cinco mil milhões de euros à nova estrutura mas os moldes do financiamento ainda estão a ser debatidos. A intervenção do Estado está a gerar alguma polémica nos meios políticos parisienses porque François Pérol pode tornar-se no dirigente do novo banco. Pérol é conselheiro do presidente Nicolas Sarkorzy, o que não agrada à oposição.