Última hora
This content is not available in your region

Sinn Fein condena ataque de dissidentes republicanos na Irlanda do Norte

Sinn Fein condena ataque de dissidentes republicanos na Irlanda do Norte
Tamanho do texto Aa Aa

A polícia abriu a caça ao homem na Irlanda do Norte.

Uma facção dissidente do Exército Republicano Irlandês, auto-intitulada IRA-Verdadeiro, reivindicou o ataque contra um quartel britânico, na noite de sábado. Dois soldados morreram e quatro pessoas, entre elas dois civis, ficaram feridas com gravidade na base de Massereene, perto de Antrim, a 25 quilómetros de Belfast. Os líderes políticos britânicos, irlandeses e norte-irlandeses reagiram mostrando-se determinados a manter o processo de paz, alcançado em 1998, com os acordos de Sexta-feira Santa. O vice-primeiro-ministro do governo partilhado e ex- chefe militar do extinto IRA revela que o ataque foi levado a cabo por pessoas que se opõem à paz e ao processo de paz. “Foi errado, contraproducente e não devia ter acontecido. E parece-me que estas pessoas estão determinadas a fazer com que os soldados britânicos voltem às ruas da Irlanda do Norte”, disse Martin McGuiness, do Sinn Fein. A violência tem vindo a agravar-se. No último ano, multiplicaram-se as tentativas de homicídio de polícias e no final de Janeiro foi descoberto um carro armadilhado na localidade de Castlewellan. Acções reinvidicadas pelo grupo dissidente do IRA, que em 1998 causou a morte a 29 pessoas, em Omagh, no mais sangrento atentado dos 30 anos de confrontos na Irlanda do Norte. Nas últimas semanas Londres reenviou forças especiais para o Ulster, com a missão de apertar a vigilância aos dissidentes.