Última hora
This content is not available in your region

França consolida regresso ao comando militar da NATO

França consolida regresso ao comando militar da NATO
Tamanho do texto Aa Aa

A França abandonou o comando militar integrado da NATO em 1966, ordenando o encerramento da sede da Aliança Atlântica no seu território depois do presidente Charles De Gaulle ter dito que Paris não seria arrastada para uma guerra na qual não escolheu participar.

A decisão, tomada em plena Guerra Fria, foi o culminar de anos de rivalidade franco-americana sobre o controlo da Aliança e armamento nuclear. Mas a ordem mundial mudou ao longo das últimas quatro décadas e, segundo Nicolas Sakozy, chegou o momento da França regressar à cúpula decisória da NATO. Na realidade, desde 1995, Paris tem um papel cada vez mais preponderante na organização transatlântica, com missões de comando no Kosovo, na Bósnia e no Afeganistão. Membro fundador da NATO, a França é hoje o quatro maior contribuinte em termos de orçamento e o quinto em termos de tropas e, segundo os apoiantes do actual presidente, a reintegração no comando militar poria simplesmente fim a uma situação descrita como “hipócrita”. Desde o fim da Guerra Fria, foram vários os líderes gauleses que tentaram a reaproximação com a Aliança, começando por François Miterrand e passando por uma tentativa falhada de Jacques Chirac em 1997. Vozea críticas na oposição e na própria formação de Sarkozy vêem a reintegração como uma prova da vontade do presidente de aproximar-se dos Estados Unidos – país que escolheu para a primeira visita oficial -, em detrimento dos aliados europeus. Os mais cépticos temem que Paris perca a sua independência e capacidade para fazer contrapeso a Washington. Didier Billion, vice-director do Instituto de Relações Internacionais e Estratégicas de Paris: “É uma completa ilusão considerar que podemos influenciar a direcção da NATO, mesmo se voltarmos ao comando militar integrado. Só os ingénuos é que acreditam, pensam e consideram que a NATO é uma organização onde existem discussões reais. Não há debate: os norte-americanos é que decidem”. O regresso da França ao comando militar da Aliança Atlântica pode, segundo os críticos, minar os esforços de construção de uma força de defesa unificada europeia. Sarkozy diz que a reintegração da França vai servir para impulsionar tanto a sua posição mundial, como o projecto de defesa do Velho Continente.