Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Presidente Bouteflika a caminho de um 3º mandato na Argélia

Presidente Bouteflika a caminho de um 3º mandato na Argélia
Tamanho do texto Aa Aa

Abdelaziz Bouteflika encerrou em festa a campanha presidencial com um comício em Argel.

O presidente argelino concorre a um 3º mandato depois de ter alterado a constituição para poder participar. Contando com o apoio dos 3 partidos que dominam o parlamento, Bouteflika tem a reeleição praticamente assegurada. Confiante, declarou aos seus partidários que a Argélia espera deles novas vitórias, novas revoluções que não tenham por base a violência, mas sim a construção, a reconstrução, o saber e a criação. O presidente aproveitou para lançar a ideia de um referendo que possa dar uma amnistia geral definitiva aos combatentes islamitas, se estes entregarem as armas. Fora da capital, a uma centena de quilómetros de Argel, Louisa Hanoune, a candidata trotskista do Partido dos Trabalhadores e única mulher à frente de uma formação política no país, esteve em Tizi Ousou, a capital da Cabília onde defendeu “a ruptura com o sistema de partido único” para alcançar uma paz verdadeira. Por seu turno, Ali Fawzi Rebaine, do partido nacionalista concluiu a campanha em Tipaza, a oeste da capital, advogando a importância de “restabelecer a confiança dos cidadãos nas instituições”. Depois dos argelinos na diáspora, os que vivem nas regiões mais remotas da Argélia também já começaram a votar nas presidenciais marcadas para esta quinta-feira. O ex-presidente moçambicano Joaquim Chissano encabeça a missão de observadores da União Africana a um país onde a falta de transparência tem marcado os escrutínios anteriores.