Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.
Última hora

Entre aclamação e condenação

Entre aclamação e condenação
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

O presidente iraniano foi recebido como um herói em Teerão. A viagem de Mahmoud Ahmedinejad à Suíça parece ter cumprido os seus objectivos de política interna. Em Junho realizam-se eleições presidenciais no Irão e o chefe de Estado encontra-se em dificuldades para renovar o mandato.

O antigo guarda da revolução não enjeitou a oportunidade que lhe foi oferecida na abertura dos trabalhos da conferência da ONU sobre o racismo, que se realiza no Palácio das Nações, em Genebra. Mas se as palavras de Mahmoud Ahmedinejad foram aclamadas por uma parte da sociedade iraniana elas voltaram a provocar a indignação generalizada. O prémio Nobel da Paz, Elie Wiesel, sobrevivente do campos de extermínio de Auschwitz e Buchenwald, acusou o presidente iraniano de “querer ser ainda melhor que Hitler [pois] Hitler não conseguiu exterminar o povo judeu.” Não obstante o discurso de Ahmedinejad, a reunião da ONU prosseguiu esta terça-feira. Com excepção da República checa, os delegados europeus regressaram à sala e contribuiram para a aprovação por unanimidade da declaração final da conferência Durban II.