Última hora

Última hora

Europa sem política social comum

Europa sem política social comum
Tamanho do texto Aa Aa

Para fazer face às filas do centro de emprego, que vão aumentando, a União Europeia organizou uma mini-cimeira social. Inicialmente imaginada a Vinte e Sete, a reunião acabou por juntar apenas os parceiros sociais, a Comissão Europeia e a troika presidencial: a República Checa e a Suécia e a Espanha, que lhe vão suceder.

Em Praga, a Europa mostrou que, em matéria de política social, ainda há muito a fazer. Da reunião saiu, apenas, uma lista de dez acções concretas, para fazer face ao desemprego. No seu último dia enquanto primeiro-ministro – e, consequentemente, enquanto presidente em exercício da União, Mirek Topolanek acrescentou a sua receita pessoal: “Vou perder o meu cargo mas não perco o meu trabalho. Porque se quisermos trabalhar, arranjamos sempre trabalho. E este é um conselho para todos.” Para melhor a situação dos mais de oito milhões de desempregados, previstos para 2009 e 2010, é preciso mais do que humor. E talvez mesmo mais do que as medidas saída do encontro, como “manter as pessoas nos seus empregos” ou “melhorar a eficácia dos centros de emprego”.