Última hora
This content is not available in your region

Berlim quer proibir "paintball" para prevenir violência armada

Berlim quer proibir "paintball" para prevenir violência armada
Tamanho do texto Aa Aa

O governo alemão prepara uma nova lei para reforçar o controlo sobre as armas de fogo. Dois meses depois de um jovem atirador ter morto várias pessoas numa escola no Sul do país, o debate sobre a nova legislação roça já a polémica.

Entre as várias medidas em discussão encontra-se a possibilidade de proibir os jogos de “paintball”, com a aplicação de multas de até 5 mil euros aos infractores. Uma proposta criticada pelos jogadores: “o paintball é um pouco como jogar à apanhada em equipa com um toque de alta tecnologia, e isto não tem nada a ver com matar”. Mas conservadores e sociais-democratas consideram que o jogo “vulgariza a violência armada”, e mesmo que, “simula um homicídio”. Para o número dois dos sociais-democratas no parlamento, Fritz Koerper,“o paintball representa antes de mais um ataque de homem a homem, e o problema é que alguém tente imitar os mesmos gestos na realidade”. O debate foi precipitado pelo tiroteio, em Março, numa escola em Winnenden, depois de um jovem armado ter morto à queima-roupa 16 alunos e professores, foi a segunda acção do género no país nos últimos sete anos. A nova lei, que deverá ser votada antes do Verão, prevê outras medidas como a criação de um registo nacional de armas de fogo, ou a criação de sistemas de segurança biométricos para os armeiros domésticos. Para os verdes alemães as propostas do governo são uma concessão ao “lobby” do armamento, contrário à proibição da venda de armas de fogo de grande calibre.