Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

'Sites' mostram os melhores e os piores eurodeputados

'Sites' mostram os melhores e os piores eurodeputados
Tamanho do texto Aa Aa

A um mês das eleições europeias e em nome da transparência, um ‘site’ mostra quem são os bons e os maus alunos do hemiciclo de Estrsburgo. Isto é: quem vai às sessões plenárias e quem não vai, quem respeita a disciplina de voto do partido e quem não respeita….

Criado pela London School of Economics e pela Universidade Livre de Bruxelas, o ‘site’ http://www.votewatch.eu mostra que os deputados austríacos são os mais assíduos. Participaram em quase 93% das sessões plenárias. Seguem-se estónios, finlandeses e eslovacos. Os portugueses, com 87%, têm um respeitável oitavo lugar. Os piores são os italianos. Dados que confirmam os de um outro ‘site’: http://www.parlorama.eu, que foi encerrado por causa das ameaças dos eurodeputados. O ‘site’ compilava a presença nas sessões plenárias, mas também nas comissões e outras variáveis. E também nesta classificação, os italianos eram os piores. “Os piores são mesmo os piores! Isto é: nenhuma presença em sessão plenária – é certo que elas decorrem durante três dias e meio por mês… mas também nenhuma questão escrita, nem relatório, nenhum parecer…”, explica Flavien Deltort, o editor do site, que promete reabri-lo em breve – ainda durante este mês. O seu advogado garante que a legalidade será respeitada. Mas para o analista Pascal Delwit, a presença dos eurodeputados não é tudo. “O peso político de um deputado europeu pode, por vezes, ser mais importante do que a sua iniciativa quantitativa. Se um eurodeputado tem peso político numa decisão do Conselho Europeu, do Conselho de ministros ou da Comissão, então fez um trabalho mais efectivo para o Parlamento Europeu do que outros com um número apreciável de presenças nas comissões parlamentares”, diz. Quantidade não é sinónimo de qualidade, é certo… Mas um excesso de absenteísmo dos eurodeputados talvez conduza, em parte, à abstenção dos eleitores.