Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

A filosofia do Taekwondo

A filosofia do Taekwondo
Tamanho do texto Aa Aa

O Taekwondo é a arte marcial de excelência na Coreia do Sul. A forma mais simples de traduzir estes três caracteres é: pé, punho e caminho, ou seja a forma de utilizar os pés e os punhos. Mas, por detrás da arte marcial, esconde-se muito mais que uma simples técnica de combate, explica o Mestre Pang Hyun Kang:

“Tae significa pé, Kwon significa punho, e Do fala de um caminho, uma forma de vida. Ao utilizarmos os punhos e os pés, podemos treinar tanto o espírito como o corpo. E com isso, aprendemos a ser seres humanos autênticos.” “Há muitas respostas para a pergunta “qual é a filosofia do Taekowndo?”. Trata-se de educação, cooperação, paciência, de superarmo-nos a nós próprios. Mas acima de tudo, ensina-nos a ter auto-confiança.” As técnicas que deram origem ao Taekwondo são milenares, mas a arte marcial foi fundada oficialmente em 1957. Os alunos e mestres demonstram o seu nível através dos cintos, que vão do branco ao negro, o mais elevado. Neste nível há 10 dan, ou seja categorias. Para ascender ao escalão máximo, os alunos devem demostrar técnica, mas também o respeito pelo espírito desta arte marcial. Grande parte dos coreanos praticam Taekwondo. Geralmente, começam aos 7 ou 8 anos, nos Dojans. As raparigas que praticam esta arte marcial seguem os mesmos métodos e têm aulas com os rapazes. Treinam juntos e aprendem as técnicas e conceitos espirituais básicos, através de sistemas de ensino adaptados à sua idade. “É mais difícil ensinar as crianças que outro tipo de alunos como adultos ou adolescentes. Mas as crianças são puras. Estão vazias e assimilam melhor as coisas. Têm um potencial ilimitado”, explica o mestre Yoo Pyeong Hee. O Taekwondo está entranhado na cultura coreana. Não só como forma de auto-defesa, mas também como um método para desenvolver o corpo e a mente. Várias universidades incluem o Taekwondo nos seus programas e oferecem estudos nesta área, sem nunca esquecer a utilidade da arte marcial na vida diária dos estudantes. O director do departamento de Taekwondo da Universidade de Jeounju, Choi Kwan Geun. “Os alunos aprendem a importância da solidariedade entre eles. Por exemplo, estudantes que vêm de outros cursos, podem ganhar mais confiança e expressar-se melhor nas aulas”. Setenta milhões de pessoas praticam Taekwondo em 190 países. As cidades sul coreanas de Jeonju e Muju acolheram este ano a terceira edição da Exposição Mundial sobre a Cultura do Taekwondo. O evento teve a participação de mais de mil pessoas vindas de 42 países. “Aprendemos uma cultura, uma língua e ao mesmo tempo fazemos desporto. Trabalhamos a flexibilidade, a resistência… O Taekwondo é um desporto muito completo”, diz Daniel Formichi, um dos participantes franceses. Andrew Leonard, participante norte-americano: “A nível mental, ajuda a concentrar-me e fisicamente tornou-me mais forte e rápido.” O Taekwondo ganhou popularidade pelo mundo inteiro há vinte anos, depois da aparição nos Jogos Olímpicos de Seul, em 1988. Com este rápido desenvolvimento desportivo, alguns mestres mais puristas temem que a arte marcial esteja a perder o valor tradicional. O Grande Mestre Lee Hyeon Kon, nascido na Coreia, mas naturalizado norte-americano têm um ponto de vista equilibrado e optimista. “É um problema de crescimento. O Taekwondo está crescer demasiado rápido e estamos a perder algumas coisas neste momento. Mas creio que, daqui a algum tempo, as pessoas vão perceber que estamos a perder algo valioso, e vão querer recuperá-lo.” O Taekwondo luta para manter os valores originais, mas não descura a evolução. Exemplo disso é o Taekwonmu, que mistura a arte marcial com música para tornar a aprendizagem mais eficaz, mantendo o espírito inicial da modalidade.