Última hora

Última hora

Seul recebe cinema fantástico

Seul recebe cinema fantástico
Tamanho do texto Aa Aa

Puchon, no grande subúrbio de Seul,foi um enorme dormitório, mas esta cidade satétile desenvolveu-se, acolhendo as indústrias culturais, concretamente, da animação e dos efeitos especiais

A cidade é hoje conhecida pelo seu “PiFan”, o Festival Internacional do Filme Fantástico, o maior da Ãsia, no género. Um certame único que, todos os anos, durante 10 dias de verão, presta homenagem aos filmes chamados de terror, da novela negra, ao thriller, acabando nos fantasmas. Considerado também como montra do cinema contemporâneo coreano, que passa por uma fase de expansão. Mas, cineastas de todo o mundo são convidados a apresentar as suas obras. Como é o caso do francês Pascal Laugier, o realizador de “Martyrs”, um filme negro e sangrento. Deixou a sua crítica: “Parece-me que as pessoas que organizam o PiFan são fãs do “hardcore”, parece-me. Têm muita vontade de ver tudo. Eu discuti, ontem, com um dos programadores, eles são muito ‘underground’ muito contra-cultura. Há um atitude um pouco ‘punk’ pelo facto de o festival decorrer aqui, num subúrbio muito ‘confortável’ de Seul, é isso que se sente….” Mais de 200 filmes, uma competição com 12 filmes, uma secção com 10 curtas metragens, uma quinzena de programas temáticos e rectrospectivos. Os programadores sem direito a descanso. “O principal critério de selação foi o equilíbrio geográfico dos 12 filmes em competição. Vamos mostrar aos espectadores filmes da Ásia, Europa, América e Coreia”, diz um dos responsáveis. Outro, acrescenta: “Este ano, em particular, há um grande desenvolvimento da indústrioa, na Ásia e em particular do cinema de autor. Por causa disso, há seis filmes asiáticos e seis filmes de outros continentes”. Fora de competição, há também muitos filmes asiáticos e coreanos, em particular, como este “Norueguês de Madeira”, um série B, que será apresentado no Cinema Fantástico do Mundo, que alterna o humor e o horror. O festival é, antes de tudo, um sucesso de bilheteira, inacreditável. A taxa de ocupação das salas atinge os 90 por cento. Uma das obras sensaçãpo deste festival é “O Vizinho Zombi” (“The Neighbor Zombi”), um filme de rábulas, realizado por quatro jovens cineastas coreanos, todos estreantes. Como diz um deles, deram vida, aos zombis: “Pegamos nos zombies como personagens de corpo inteiro. A diferença entre os filmes de mortos-vivos clássicos e os zombi é maldosa e os humanos são as vítimas. Nos considerámo-los como seres humanos. E o resultado é que os contruímos e demos-lhes as nossas emoções, o nosso afecto, tornámo-los humanos”. Um virus, que pode ser a Sida ou o H1N1, vai propagar-se em Seul, num futuro muito próximo. As pessoas infectadas viram zombis, antes de o virus ser identificado. As quatro curta-metragens do filme são quatro visões diferentes, da mesma circunstância. Há 12 animais no zodíaco chinês. Depois de um ciclo de 12 anos, o décimo terceiro é considerado da recompensa. Um sinal positivo, para o director do festival: “Este ano é a décima terceira ediçao do festival e este número 13 incitou-nos honrar os filmes de horror”. Depois de dois anos, o PiFan recebe também o filme de marketing, que tende a ganhar mais importância para os encontros e o financiamento das produções de filmes de autor. Para a cerimónia de encerramento, foi desenrolada a carpete vermelha, no Citizen’s Hall de Puchon, no coração da localidade. Choo Sang Mi, actriz muito popular na Coreia e membro do juri, foi uma presenta notada. “The Neighbor Zombi” conseguiu os prémios do Juri e do Público. Mas o grande vencedor foi “The Forbidden Door” (“A Porta Proibida”) do indonésio Joko Anwar. O filme conta a estória de um jovem artista que descobre uma porta que o conduz a territórios desconhecidos, entre um passado inconsciente e mistérios inexplicáveis. O realizador já tentou o prémio duas vezes. À terceira, conseguiu: “Há muitos grandes filmes em competição, alguns deles, eram mais favoritos que o meu. Quando ouvi o título do meu filme disse OK”. Um festival que é um sucesso artístico e de público. É a consagração asiática, do cinema fantástico.

http://www.pifan.com