Última hora
This content is not available in your region

Vladimir Putin quer revisão histórica da Segunda Guerra

Vladimir Putin quer revisão histórica da Segunda Guerra
Tamanho do texto Aa Aa

A Polónia está a postos para assinalar os setenta anos do início da Segunda Grande Guerra mundial.

No dia 1 de Setembro de 1939, a pequena cidade de Wielun tornou-se na primeira vítima das forças nazis. Marian Wojciechowski é veterano de guerra e sobrevivente de Auschwitz. Apesar dos seus 95 anos não vai deixar de estar presente nas cerimónias oficiais. Cerca de 1.200 dos 1500 habitantes da cidade morreram e mais de 70 por cento dos edifícios foram reduzidos a escombros nos bombardeamentos da Luftwaffe e da artilharia alemã. Um dos convidados do Governo de Varsóvia para assistir às comemorações do Estado é o primeiro-ministro russo Vladimir Putin. O governante pediu recentemente através de um artigo publicado que se virasse uma página negra da história para que seja possível desenvolver as relações entre a Polónia e a Rússia. Putin pretende uma revisão histórica de alguns dos acontecimentos mais controversos do conflito mundial. Uma posição que pretende, por exemplo, reabilitar a assinatura do pacto de não-agressão germano-soviético. Entre outros, o acordo firmado pelas diplomacias de Estaline e Hitler estabelecia zonas de influência para Moscovo e a Berlim e dividia o território polaco. Um pacto condenado agora por Putin que no entanto acusa as potências ocidentais de terem forçado a breve Aliança. Outro assunto que continua a minar as relações entre Varsóvia e Moscovo é o Massacre de 22.000 oficiais polacos na localidade de Katyn. Um feito ocorrido em 1940 atribuído à polícia secreta soviética.