Última hora
This content is not available in your region

Rússia aplaude acção dos EUA mas quer mais

Rússia aplaude acção dos EUA mas quer mais
Tamanho do texto Aa Aa

Os Estados Unidos carregaram no botão reiniciar e a Rússia reconhece ter sido uma acção “correcta e corajosa” mas ambos querem mais.

Depois de Washington ter recuado no projecto de defesa antimíssil na República Checa e na Polónia, a NATO anunciou querer ir mais longe e propõe a integração dos sistemas de defesa russo e aliado. O secretário-geral da Aliança Atlântica declarou que a cooperação “não é uma questão de escolha”. É uma questão de necessidade. Tanto a NATO como a Rússia têm uma boa experiência em defesa de mísseis Agora devemos trabalhar para combinar esta experiência em proveito mutuo”, sugeriu Anders Fogh Rasmussen. No seu discurso o homem forte da Aliança Atlântica propôs o reforço da cooperação no combate à proliferação de armas de destruição maciça, incluindo pressionar o Irão a acabar com o seu programa de desenvolvimento nuclear. A Rússia demonstrou estar bastante satisfeita com o fim do projecto de escudo antimíssil norte-americano e como resposta cancelou a mobilização de mísseis Iskander para o enclave de Kaliningrado. Mas o primeiro-ministro Vladimir Poutine pretende mais de Washington. “Espero que depois desta corajosa e correcta decisão se sigam outras, incluindo o fim total de restrições na transferência de alta tecnologia para a Rússia e acções dos Estados Unidos para alargar a Organização do Comercio Mundial (OMC) à Rússia, ao Cazaquistão e à Bielorrússia”, declarou. Nos Estados Unidos, o recuo no escudo antimíssil, foi visto por críticos como um “fraqueza perigosa”. Na linha da frente das críticas contam-se republicanos como John Mcain e John Bolton.