Última hora
This content is not available in your region

Festa em Bruxelas pelo "sim" irlandês

Festa em Bruxelas pelo "sim" irlandês
Tamanho do texto Aa Aa

Num dos pub’s de Bruxelas, ainda não havia resultados definitivos mas a festa do “sim” já tinha começado. Os europeus estavam suspensos quanto à decisão irlandesa e muitos temiam uma nova vitória do “não” como punição ao governo de Dublin pela grave crise económica que afecta o país.

Hugo Brady, do centro para a Reforma europeia, relembra a importância que a economia teve na campanha. “A grande diferença entre o primeiro e segundo referendo é que, entre os dois, a economia irlandesa derrapou para o desastre. Por isso, o elemento principal para a vitória do “sim” era convencer as pessoas de que esta não era uma oportunidade para punir o governo. Votar contra o tratado iria afastar a Irlanda da União Europeia quando ela pode ajudar.”. Entre os clientes do pub estava o ex-primeiro-ministro belga e actual líder dos Liberais no Parlamento Europeu. Guy Verhofstadt considerou a vitória do “sim” como um lindo dia para a Europa Apesar da alegria, a Europa não respira de alívio. O Tratado de Lisboa ainda só foi ratificado por vinte e cinco estados membros.