Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.
Última hora

Bruxelas tenta definir regras da futura democracia participativa

Bruxelas tenta definir regras da futura democracia participativa
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

A União quer reforçar a participação dos cidadãos na vida política europeia e a Comissão dá o exemplo. Bruxelas lançou uma consulta, um livro verde na internet, e, até finais de Janeiro de 2010, os europeus são convidados a pronunciar-se sobre a “iniciativa popular” criada pelo Tratado de Lisboa, que entra em vigor a 1 de Dezembro.

O texto prevê que um milhão de cidadãos, de um certo número de países, possam pedir à Comissão Europeia que prepare um projecto-lei sobre determinada matéria. Mas há questões práticas que não são definidas. O analista Janis Emmanouilidis, do Centro de Política Europeia, explica: “Quando se diz um milhão de assinaturas não se diz de quantos países, não se especificam os meios para garantir a autenticidade das assinaturas. Isso tem de ser definido na prática. O Tratado também não explica o que significa quando se diz “a Comissão é convidada a fazer uma proposta”. É obrigada ou convidada a fazê-lo. Há muitas perguntas sem resposta e muitos pormenores que têm de ser definidos”. Até agora, a participação dos cidadãos estava reduzida às eleições para o Parlamento Europeu. O hemiciclo europeu verá reforçados os poderes com o Tratado de Lisboa, mas para já está fora de questão dar a oportunidade aos cidadãos de obrigarem a União a convocar referendos.